O Vale Verde do Ceará-Mirim I
 

O Vale Verde do Ceará-Mirim I

“Nos primeiros tempos da colonização, Estremoz, com seu colégio Jezuítas, onde se educou o grande índio Poti, e sua lagoa povoada de lendas, era o ponto mais avançado no caminho que ia a capital. Pouco adiante do taboleiro, era a mata virgem e misteriosa donde não mais voltavam muitos que nela penetracem. O nome Boca da Mata, como era denominado a região que é hoje o Ceará-Mirim, das terras ubertosas e dos extremos canaviais, infundia certo pavor”. (Manoel Dantas, in “Homens de Outrora”, Editora Sebo Vermelho. Natal, RN, 2001).

Os Engenhos Contam a História do Vale

No século XVII, quando os portugueses chegaram oficialmente ao Vale do Ceará-Mirim, os índios Potiguares, chefiados por Felipe Camarão, o índio Poti, já habitavam a localidade de Guajiru, as margens do Rio Pequeno, hoje Rio Ceará-Mirim. Logo após a saída dos padres jesuítas, os índios negociaram suas terras com os colonizadores portugueses, os quais utilizaram o trabalho escravo para desenvolverem a economia do lugar, através do plantio de cana-de-açúcar.

O Vale prosperou e cresceu a partir da produção canavieira e, durante a fase patriarcal e escravocrata do açúcar, tornou-se referência de ostentação e de muito luxo, tendo seus senhores de engenhos possuindo carruagens forradas com seda e promovendo pomposas festas para a aristocracia nos salões dos seus Casarões...

fonte: Alexandre Gurgel

www.grandeponto.blogspot.com