Alimentos produzidos em assentamento do RN beneficiam cerca de 600 pessoas
 
Alimentos produzidos em assentamento do RN beneficiam cerca de 600 pessoas.
 
Seis projetos de assentamentos são fornecedores de alimentos para entidades de cunho social da região de Ceará-Mirim, no Rio Grande do Norte. A distribuição faz parte do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), ligado ao Fome Zero do governo federal. O Ministério do Desenvolvimento Social (MDS) repassa a verba para as prefeituras que, por sua vez, ficam responsáveis por comprarem produtos feitos em assentamentos rurais e, portanto, da reforma agrária.

Em Ceará-Mirim, os projetos de assentamento (PA´s) Águas Vivas, São João Batista, Rosário, Nova Esperança II, Pe. Cícero e São Sebastião produzem alimentos como coco-verde, banana, carne bovina, galinha caipira, gerimum (abóbora), feijão verde, farinha, abacate, acerola, melancia, maracujá, mamão, verdura, macaxeira, queijo e até mesmo camarão. Todos estes produtos beneficiam cerca de 600 pessoas, representadas por entidades sociais como associações comunitárias, abrigo de idosos, Apae, um hospital da cidade, creches e uma fundação.

Segundo a coordenadora geral de Ação Social da prefeitura de Ceará-Mirim, Jonete de Oliveira, este é um grande projeto. “A aquisição de alimentos dos assentamentos da reforma agrária é um programa muito interessante, pois, além de beneficiar os agricultores que trabalham na terra, com a compra de seus produtos, ajudam várias instituições que estão necessitadas”, destacou.

O PAA tem como objetivo melhorar as condições de vida de milhares de agricultores do País inteiro e formar estoques estratégicos de alimentos para a população carente. O impulso na agricultura familiar acontece com a compra direta de alimentos de produtores, até o limite de R$ 2.500,00 por agricultor/ano. Os alimentos são distribuídos em cestas básicas, na merenda escolar, em hospitais e entidades beneficentes.

O programa atua em todo o Brasil. A transferência dos recursos é feita através do MDS, enquanto a Conab atua na compra dos alimentos, produzidos por agricultores familiares. Entre as vantagens do programa, também podem ser citados o estímulo às permanência do agricultor no campo, o combate à fome e o desenvolvimento nas áreas onde atua.


Fonte: Ministerio do desenvolvimento